Contos Reflexivos para todas as Idades

A Lenda da Velha Bruxa

“Existem mais coisas misteriosas e inexplicáveis entre o mundo concreto onde vivemos e o vácuo que desconhecemos do que todo acervo de explicações, conjecturas e elucubrações, que nossos sábios e homens de ciência poderiam em muitas vidas tentar explicar... Importante seria lembrarmo-nos sempre disso...”

A Lenda da Velha Bruxa

Parece que o maior pavor humano ainda é o medo irracional de qualquer coisa que sua ciência não seja capaz de explicar...

A luz intensa da lua cheia, mais parecia a camada transparente de uma espécie de tinta brilhante e aveludada, a se espalhar sobre as copas das árvores daquela mata virgem e superfícies dos lagos, pequenos e médios, que eram possíveis de vislumbrar do ponto mais elevado daquele extraordinário vale, da varanda daquele majestoso casarão, erguido sobre uma sólida colina de basalto negro.

A visão era deslumbrante, e mesmo o mais insensível dos homens não deixaria de se comover diante daquela verdadeira obra de arte da natureza. E não fosse o vento frio seguido pela densa neblina que aos poucos fora apagando o belíssimo cenário noturno, o reflexivo visitante que, em absoluto silêncio, a tudo aquilo observava, certamente não teria se recolhido antes da meia noite.

No entanto, ele não o fez contrariado, pois sabia que no dia seguinte, aquela magnífica obra de arte magistralmente pincelada pelas mãos invisíveis da natureza estaria à sua espera. Ficaria torcendo apenas para que o nevoeiro chegasse um pouco mais tarde, assim poderia usufruir um pouco mais de tão esplêndida visão, sempre acompanhada por aquele impagável e acolhedor sentimento de paz interior.

O suntuoso casarão era uma construção antiga, cuja resistência ao tempo constituía um mistério a parte. E o ambiente dos quartos ainda eram os originais de séculos atrás, intocados até em sua decoração interior, quando os audaciosos pioneiros ergueram o imponente monumento no alto daquela íngreme colina. A escolha do local fora calculada, certamente com uma dupla intenção: perceber a aproximação de visitantes indesejados, e muito provavelmente, usufruir da paz proporcionada pelo intencional isolamento e aprazível visão panorâmica.

Mas, com o passar dos anos, a casa ganhou uma fama, digamos, um tanto quanto excêntrica. Diziam que era mal assombrada. E de tempos em tempos, pelos estreitos e longos corredores dos seus três andares, gritos, gemidos e passos realçados por pisadas fortes, eram absolutamente audíveis, e o pior de tudo, algumas vezes acompanhados pelos respectivos vultos, especialmente em noites coroadas pela lua cheia, a exemplo daquela.

Por isso os pesquisadores faziam verdadeiras peregrinações ao remoto retiro em busca das tais aparições, ora para ilustrar seus compêndios científicos, ora para usar como recheio para livros e revistas pautados no fantástico. Outras vezes, usavam do argumento apenas como meio cientificado para tentar compreender os mistérios da vida e da morte. Mas, aquele inquilino, não estava ali por nenhum desses motivos.

Sua pauta era outra. Viera a trabalho, no papel de avaliador, representando uma importante organização encarregada de classificar pousadas pelo seu grau de exotismo, o que significava uma atração a mais para as centenas de visitantes, cuja lista de espera para se hospedar no local, se estendia por vários anos. Tanto que existia mesmo um mercado paralelo apenas para atender aos mais apressados em conhecer a peculiar fama e deslumbramento daquele reservado recanto.

Por conta própria, ou até como lastro para qualificar suas habilidades avaliadoras de lugares tão extraordinários, estudara profundamente as singularidades do mundo esotérico e seus mistérios; sua peculiar relação com nossos medos mais profundos. E depois de longos anos diante dos aspectos que a ciência humana classificaria como eventos inexplicáveis, destacara-se como o melhor em sua função.

E já recolhido ao seu quarto, percebe que os espessos cobertores de algodão não eram suficientes para protegê-lo do frio, e o motivo era simples: aquela não era uma friagem comum.

Mas ele Já conhecia a explicação oficial, pois todos diziam que os quartos estavam impregnados com ectoplasma, uma substância transparente, invisível aos olhos comuns, que emanava dos espíritos que ali residiam. Assim, a principal evidência de sua existência ou presença no local era as variações da temperatura ambiental, os breves episódios intercalados de calor ou frio a saturar os cômodos. Entretanto, a indumentária térmica que já vestia ajudava a contornar o problema, por isso adormeceu sem problemas.

Acordou, não sabe quanto tempo depois, com as batidas à porta, entretanto, ainda a experimentar aquela sensação própria da hipnagogia – estado diferenciado de consciência que surge na transição entre a vigília física lúcida e o sono caracterizado pela semiconsciência –, assim, nem parou para refletir sobre as histórias de assombrações.

Ao abrir a porta não viu ninguém, por isso duvidou que as batidas tivessem sido reais. “Acho que acordei no meio de um sonho...”, sussurrou para si mesmo e voltou à cama. E logo adormeceu embalado pelo silêncio absoluto. No entanto, sem saber precisar exatamente quanto tempo se passara, sentiu que alguém entrara no quarto, embora não fosse capaz de enxergar com clareza de quem se tratava.

Ainda desconcertado, de repente, sentiu-se imobilizado, preso à cama, impossibilitado de mexer braços ou pernas, ou mesmo a cabeça, embora fosse capaz de movimentar os olhos. E estes vasculhavam até o ponto onde suas órbitas o permitiam, tentando encontrar o intruso que claramente adentrara no recinto. Foi quando percebeu que o estranho visitante sentara sobre o colchão da cama a altura dos seus pés, e ali permaneceu com as costas viradas para ele. Uma sensação de pavor insinuou tomar conta de seu equilíbrio emocional, até aquele momento, ainda sob controle da sua mais lúcida razão.

Num misto combinado de curiosidade ou pavor mesclado por um sentimento de impotência, tentou em vão falar alguma coisa. Ocorre que, de sua garganta áspera tomada por uma secura atípica, nenhum som era capaz de sair, e apesar dos comandos do seu cérebro, seu aparelho fonético parecia entorpecido, emperrado, e simplesmente não obedecia.

Então o estranho personagem segurou em um dos seus pés, para em seguida levantar-se e deslocar-se em direção à cabeceira da cama. E ali permaneceu do seu lado direito, mas, sempre tomando o cuidado de permanecer de costas, preservando seu rosto. Ele pode então constatar que se tratava de alguém com um capuz à cabeça, com o resto do corpo coberto por um capote negro, que moldava seu corpo de forma anatômica, sem, contudo, deixar nenhuma parte a descoberto.

Tentou desesperadamente mover-se, mas todo esforço era vão. A cama parecia imantada por uma força opressora sobrenatural que o mantinha absolutamente imóvel. E por mais que tentasse, não conseguia sair daquele torpor. E, a cada movimento que ensaiava, parecia que a gravidade o pressionava com mais força para baixo, para dentro do colchão. Mentalmente gritou o mais alto que podia, quando o estranho personagem, que agora sabia tratar-se de uma velha senhora de rosto enrugado, pálido e inexpressivo, subiu sobre sua barriga, para, em seguida, com suas mãos pesadas e tenazes como garras, começar a sufocá-lo.

O pânico atingira seu momento extremo, quando, sentiu-se caindo em um espaço vazio.

Acordou com a queda, e ao lado da cama. E, logo percebeu que tudo não passara de um sonho. Um terrível pesadelo, daqueles que só ouvira falar nos contos de assombração, ou nos relatos de suas pesquisas sobre o mundo das coisas ocultas. “Era a velha Bruxa, exatamente como sempre a descreveram nas lendas antigas...”, balbuciou para si mesmo, ainda trêmulo, mas sem medo, enquanto se erguia do chão e acendia as luzes do quarto.

Certamente que, naquela noite, ele, definitivamente, não tanto por temer alguma coisa, mas, antes disso, pela euforia incomparável de ter experienciado a manifestação genuína de um evento extrafísico que até aquele momento, para ele, no papel de pesquisador, não passava de uma lenda, hipótese ou mito primitivo. Por isso mesmo, certamente, naquela noite, não mais conseguiria dormir, nem com a ajuda do mais poderoso sedativo.

“Perfeito, pode desligar...”, exclamaram os cientistas encarregados da simulação. “Mais uma vez ele reagiu como gente. Foi capaz de pensar, e de acordo com a leitura do eletroencefalograma espectral chegou a sonhar. O mais curioso, coisa de fato intrigante e assombrosa, ele teve sensações e reações físicas com base apenas nas memórias de outro indivíduo que colocamos dentro do seu cérebro virtual. Entretanto, o mais extraordinário, é que suas reações de medo motivadas pelo pensamento lógico demonstraram sentimentos verdadeiros, inacreditavelmente semelhantes aos humanos...”

Aquele era um evento único na história da cibernética. Afinal de contas, tratava-se do primeiro protótipo de cérebro eletrônico capaz de pensar e reagir como gente, e que de modo incompreensível, fora capaz de sonhar e vivenciar de forma lúcida, com reações mentais e somáticas proporcionais, similares em efeito ao que já sentiam os seres vivos racionais, um advento que, até aquele momento, pela ciência, era considerado impossível.

Moral da História:
O impossível retrata apenas nossa incapacidade temporária de solucionar um problema cuja solução, para nós, ainda não representa uma necessidade vital; algo imprescindível para o nosso viver.

Leia Também...