Artigos para Autorreciclagem

Meninos e Meninas, os Mistérios de uma Convivência que deveria ser Harmônica

A Compreensão da Natureza dos Opostos Qualifica o Educador...
"Uma verdade existe sem depender de opiniões..."
Meninos e Meninas, os Mistérios de uma Convivência que deveria ser Harmônica

Lembre-se sempre de que, o resultado das ações do potencial adulto que está naquela criança, depende da qualidade da instrução que ora recebe do adulto já formado que está à sua frente...

Examinando a Questão...

Até os três anos de idade, as crianças não sabem o que diferencia um menino de uma menina, e a não ser pelos estereótipos ou protocolos já adotados pelos adultos e que assimilam sem depender de suas vontades, não compreendem porque são diferentes. Mesmo o sexo, gêneros distintos, os aspectos da fisiologia, para elas, nada disso representa uma desigualdade.

Sem dar muita importância ao fato, elas tratam aquele ente, mesmo quando se dão conta de que possui um órgão sexual diferente do seu, a despeito do sexo não semelhante, como um igual. Na verdade, para elas, menino é aquele que tem cabelo curto e menina quem tem cabelo comprido, o que na verdade já é um estereótipo social, só que ainda não sabem disso. E mesmo as peculiaridades típicas do temperamento de cada gênero, são desprezadas.

Na realidade nós, os adultos, cuidamos para que desde o início a aparência transforme os gêneros em diversidade. Para uma criança pequena isso não tem a menor importância, pois, as diferenças ocultas, até favorecem o desenvolvimento compartilhado. O fato de gêneros distintos com seus temperamentos peculiares dividirem o mesmo espaço já é um preparo para que se compreendam mutuamente, para que mais tarde possam conviver minimizando as disputas, respeitando o espaço de cada um, longe dos antagonismos motivados pela causa gênero. Entretanto, nós como adultos, fazemos questão de impedir que esse processo espontâneo siga seu curso natural sem conflitos.

E logo que nascem os nossos filhos, nos apressamos em nutrir em seus inconscientes, o que primeiramente são: mulher ou homem. O que acaba por exacerbar de forma exagerada os traços idiossincrásicos que trazem de berço. E como também já temos um padrão usado para condicionar cada gênero, isso complementa a primeira parte desse processo de condicionamento patológico que irá transformar menina e menino em entidades completamente antagônicas, divergentes entre si, predestinadas a viver eternamente em conflito. E assim, o culto às diferenças se torna um atributo natural dentro de cada sociedade, exigindo a conduta separatista, comprometendo de forma dramática todas suas ações.

E então repetimos os estereótipos já criados para dar origem às primeiras diferenças que deverão existir entre elas. São as roupas, os brinquedos, os hábitos, e assim por diante. Na verdade, uma criança não precisa de nossa ajuda para aprender a diferenciar os indivíduos do sexo oposto, uma vez que isso deveria ocorrer de maneira natural, sem depender dos costumes e tradições que acabam por criar e perpetuar essas linhas divisórias.

Sem depender de nossa interferência, esse processo trata-se de um estágio espontâneo na pauta do desenvolvimento de cada um, e isso deveria ser incentivado, mas, sem perder de vista. Cada etapa do seu amadurecimento foi cuidadosamente projetada pela natureza obedecendo a um critério lógico e bem definido, que contempla ao mesmo tempo, a evolução dos seus sentidos sincronizada à sua condição mental. No entanto, logo cedo, ao introduzirmos no mundo dessas crianças aqueles estereótipos que foram especialmente criados para separar um gênero do outro, quebramos, corrompemos, adulteramos e deformamos esse ciclo natural.

Um processo natural que foi corrompido por todos Nós...

Por uma predisposição inata, meninas e meninos herdam dos genes do sexo certas características que acabam por definir involuntariamente, espontaneamente, o processo de preferências de cada um. Isso naturalmente ocorre sem a menor necessidade de nossa intervenção. Cabelos compridos, roupas azuis ou cor de rosa, carrinhos, bolas ou bonecas, saias ou calças compridas, tudo isso nós criamos para lhes dizer, desnecessariamente, quem é quem.

Nada disso tem valor cognitivo, uma vez que descobrirão na hora certa, sem distorções e juízos bizarros, com o melhor dos entendimentos; sem tabus, sem as maledicentes barreiras que nós, por interesses duvidosos e falta de inteligência, atribuímos existir entre sexos opostos.

E a partir do momento em que as crianças são segmentadas por gênero, também instigamos o culto às diferenças e preconceitos, uma prática que se estenderá para todas as áreas do convívio humano. E fazendo seu papel, uma poderosa alça do sistema financeiro, a máquina corporativa indutora de hábitos, logo se encarregará de apoiar, alimentar e fortalecer esse status. E há também dentro das sociedades a questão do poder, onde o desejo de dominação de um congênere sobre outro depende exclusivamente desses parâmetros.

Ocorre que todo o projeto que segmenta os gêneros normatizando os estereótipos característicos de cada um, foi idealizado por esse mecanismo social e inserido em nossas vidas como um padrão habitual e necessário, e o pior de tudo, fomos convencidos de que se trata de um processo natural, fundamental para o desenvolvimento sadio de cada indivíduo. E sem perceber, desse momento em diante, somos seus agentes multiplicadores. E até nossas emoções foram cuidadosamente planejadas, e assim, naturalmente tratamos cada sexo como entidades antagônicas de fato. E mais uma vez, na mente coletiva, tornamo-nos replicadores, disseminadores ativos dessa prática abominável.

E existe mesmo um protocolo que é na verdade um gabarito de procedimentos e regulamentos de orientam como pais e mães deverão condicionar seus descendentes, evidentemente, com a devida distinção, caracterizando, enfatizando, ilustrando de forma didática e bizarra as diferenças irreconciliáveis que supostamente existem entre os gêneros. Trata-se de um modo operacional para lidar com meninas e meninos. Assim, os conteúdos psicológicos, os interesses, os objetivos, tudo isso será fracionado, seguindo à risca a orientação imposta pelo peso e influência de tais tradições e costumes patológicos.

Como resultado, substituímos seus temperamentos ingênitos, por mórbidas cópias virtuais, ou aberrações comportamentais.

Um processo natural que não precisaria de nossa Interferência...

Meninas e meninos, ao brincarem juntos, estarão naturalmente criando os mecanismos naturais de respeito mútuo, já que ao longo do tempo descobrirão um ao outro. Aprenderão sobre as particularidades de cada gênero; sobre o que agrada ou desagrada, de acordo com as predisposições naturais de cada um. Aprenderão sobre as suas peculiaridades emocionais, as formas como cada um reage diante de uma mesma situação. Trata-se de um aprendizado tão rico que seria incapaz de caber em qualquer compêndio educacional teórico criado por “especialistas” de mente fossilizada e intenções duvidosas.

A convivência natural, sem a imposição dos nossos vícios, manias e preconceitos, faculta também o respeito espontâneo, e tudo isso, de acordo com suas limitações, inclinações e disposições inatas. Estarão vivendo num mundo novo, já que cada dia será de descobertas. Não aprenderão que menino é o indivíduo vestido de azul e brincando com carrinhos, nem que menina é aquela que prefere a cor rosa e brinca necessariamente com bonecas. Muito menos que meninos são agressivos e as meninas meigas. Descobrirão se tudo isso é verdadeiro ou falso, naturalmente, sem a estúpida intermediação dos adultos já contaminados pela incompetência crônica.

O convívio sem a instituição do gênero permite que compreendam naturalmente o papel de cada um. Não tentarão subjugar um ao outro; nem haverá a necessidade do gênero dominante, pois isso apenas existe a partir do momento que instituímos o fraco e o forte, o inferior e o superior, o dominador e o subjugado.

Se fisiologicamente os gêneros são diferentes, isso também reflete de maneira decisiva na parte psicológica de cada um. O cérebro masculino enfatiza o movimento e a mecânica dos processos, assim como a compreensão dos espaços físicos, dimensionamentos e formas geométricas, ou seja, o lado racional de cada questão. Enquanto isso, a mulher desenvolve mais a sensibilidade, as emoções, o dom da expressão e comunicação, assim como a fala e a observação, a intuição, o detalhismo, a harmonia e estética, a organização e zelo pelas coisas.

Compreender isso é aprender a considerar o espaço e limites de cada um; é entender que os gêneros não existem para competir entre si, mas antes disso, para se complementarem. Não existe inferior ou superior, mas, ao invés disso, diferentes predisposições e capacidades, atributos psicológicos não antagônicos e sim conexos, cuja função é o trabalho conjugado, exatamente ao contrário do que tentamos instituir. E todo traço próprio de cada gênero é coisa intencional de parte da natureza, para que se ajudem mutuamente, o que caracterizaria o permanente convívio ressonante, e não o estado de competição patológica que conhecemos.

Leia Também...