Artigos para Autorreciclagem

Como NÃO Criar um Delinquente: As Onze Regras Fáceis

O ato de compreender a Si mesmo não é um modismo oportunista ou brincadeira, nem uma daquelas ondas sociais de curta duração patrocinadas pela mídia de entretenimento, mas, ao invés disso, um estado íntimo e muito sério de permamente vigília, com início mas sem fim, cujo objetivo não é apenas identificar e descartar as falhas de nossa personalidade, mas também descobrir e potencializar nossas qualidades...
"Apenas porque um hábito faz parte de uma tradição centenária, isso não quer dizer que seja coisa necessária ou útil..."
Como NÃO Criar um Delinquente: As Onze Regras Fáceis

Não adianta insistir, Padrões que não educam devem ser descartados e esquecidos de uma vez por todas...

Introdução...

Apenas porque um hábito faz parte de uma tradição centenária, isso não quer dizer que seja coisa útil...

Um dos maiores problemas sociais do nosso tempo, além da falta de sensibilidade, é o acirrado antagonismo criado a partir do estado de competitividade que já se tornou uma tradição em nossas vidas.

E em meio a tudo isso, surge o jovem egocêntrico, cujo objetivo de vida é conquistar seu espaço se afirmando como alguém importante dentro da sociedade. E enquanto caminha nessa direção, pouco se importa com as consequências dos seus atos em relação ao seu próximo. E nesse jogo, a falta de respeito e a indiferença aos seus semelhantes são apenas alguns dos ingredientes que ilustram esse novo status.

Os pais, no papel de primeiros e mais importantes educadores, deverão se esforçar para descobrir as causas que levam os jovens a cometerem excessos, e, algumas vezes, integrando a delinquência como parte definitiva de sua personalidade.

Os 11 Pontos Positivos...

  • Não dê à criança tudo quanto ela queira.
    Desde pequena a criança deve aprender a ouvir um não. Aprendendo agora a dizer um não ao lícito, mais tarde ela saberá dizer também não ao ilícito.
  • Aponte os erros que seu filho comete.
    Quando ele se embrenha nas sendas do mal, mostre o caminho do bem.
    Nos momentos de perplexidade, esclareça sua dúvida. Ensine e ajude seu filho a escolher entre o errado e o certo, entre o mal e o bem. Ajude-o a seguir o caminho do bem abraçando sempre a verdade.
  • Dê a seu filho também uma educação espiritual.
    Seu filho não é apenas corpo e sensibilidade, mas possui também uma essência não física; uma essência que precisa conhecer e amar as forças superiores da natureza.
    Se ele perder a confiança no supremo, se perder o sentido da vida, se desconhecer o destino imortal do homem, se não esperar mais nada para depois da morte, só lhe resta um caminho a seguir: gozar a vida no momento presente e, para isto, irá servir-se de todos os meios, bons e maus, proibidos ou permitidos.
    Um homem que não nutre esta essência é uma caricatura humana.
    Um homem que não enxerga o eterno é um homem morto antes do tempo.
  • Não confunda as Coisas...
    Quando seu filho deixar espalhados pelo chão as roupas, sapatos, livros, brinquedos, faça-o apanhá-los. Mas faça como amor, bondade e carinho, e não de maneira agressiva ou intolerante. Com gritos nunca se educa uma criança. Educa-se com energia, amor, carinho, bondade e compreensão.
  • Não brigue nem discuta na presença do filho.
    Quando os pais discordarem ou se desentenderem, devem procurar evitar a discussão diante dos filhos. Falem e discutam a sós. Brigas e discussões na presença dos filhos, além do mau exemplo dado pelos pais, provocam na alma da criança conflitos emocionais irreversíveis e muitas vezes de graves consequências.
    A harmonia e união entre os pais revertem em benefício para os próprios filhos.
  • Não dê a seu filho quanto dinheiro ele pedir.
    Quem não se contenta com pouco, nem o muito o satisfará jamais.
    O dinheiro fácil na mão do seu filho abre caminho para muitos erros, pois a riqueza mal empregada abre as portas do mal.
    Seu filho deve aprender quanto custa ganhar dinheiro. Se desde pequeno ele não sabe quanto custa o dinheiro, só desejará uma coisa na vida: ganhar muito dinheiro com o mínimo de esforço e gozar o máximo a vida.
    Dinheiro fácil nas mãos do seu filho leva-o a confiar mais no poder da moeda do que em sua força de vontade, ou em sua dignidade moral e capacidade intelectual.
    Faça com que seu filho mereça o dinheiro que recebe.
  • Não satisfaça todos os desejos e caprichos do seu filho em matéria de comida, bebida e conforto.
    Ele deve aprender a fazer sacrifícios, a renunciar um gosto pessoal, a dizer um não a um capricho e deixar de ser voluntarioso.
    O comodismo enterra todas as aspirações humanas e é o maior obstáculo do progresso. Formar a vontade do filho não é fazer todas as suas vontades.
    Forme a vontade dele para que rejeite sempre o mal e queira sempre só o bem.
  • Quando seu filho entrar em conflito com professores, polícia, vizinhos e colegas, não tome seu partido sem antes examinar bem o fato e ver de que lado está a razão.
    Um erro é tomar sempre o partido do filho apenas por ser filho, sem procurar saber a origem do conflito e ver com quem está a razão.
    É preciso ver, analisar, julgar e dar razão para quem a merece.
    Não é somente o filho do vizinho que pode errar; o seu também está sujeito ao erro.
    Ninguém é perfeito; seu filho também está dentro desta regra.
    Seja justo e dê razão a quem tem de fato.
  • Olhos Abertos significa atenção...
    Quando ele entrar numa contenda mais séria, não o desculpe com estas palavras: "Ele sempre foi impossível; ele é assim mesmo."
    Isto fará com que seu filho permaneça no erro e abrirá caminho para faltas mais graves, pois ele sabe que pode contar sempre com a cumplicidade indulgente dos pais. A indulgência excessiva é sempre cúmplice do crime.
    Seja indulgente, mas sempre dentro da ordem, da energia bondosa e da disciplina.
  • Não faça comparações das virtudes e dotes do seu filho em relação aos outros.
    Fazendo isto, você estará implantando nele o vírus da intolerância, a discriminação pessoal e social, e o menosprezo pelos demais.
    Um elogio deve ser feito de maneira discreta, a sós, e com muito cuidado.
    Os pais costumam rotular os filhos de acordo com sua própria conveniência, e isto abre espaço para que vejam nos filhos, qualidades que muitas vezes não possuem, causando frustrações nos mesmos com o tempo.
  • Qualquer tipo de vício é prejudicial para os adultos e muito mais às crianças.
    Se tiver algum vício, lute para livrar-se dele, e o faça diante do seu filho, sempre demonstrando a ele os malefícios do mesmo e sua luta pela liberdade.
    Sua criança não merece compartilhar de um capricho danoso como o seu.
    Se você tem amor de fato por ele, livre-se do vício. Apenas desse modo poderá lhe cobrar mais tarde com eficiência, caso ele se caia numa dessas armadilhas.
    Para o filho, o exemplo de probidade dado pelos pais é mais importante do que todas as opiniões que ele vai encontrar pelo resto da sua vida, na rua.
  • Feito tudo isso, prepare-se para uma vida de harmonia, alegrias e felicidade. É sem dúvida seu mais que merecido destino!

Texto revisado e ampliado por Alberto Filho/Anne Lucille

Leia Também...