Artigos para Autorreciclagem

Dicas de Atividades Cognitivas com Coleções

Ideias para Criação de Atividades Didáticas de grande valor educativo sem uso de materiais, ou quase...
"Educação não é a simples transferência do conteúdo de um livro para o cérebro do educando..."
Dicas de Atividades Cognitivas com Coleções

Uma criança organizada, por reflexo, logo se torna também disciplinada, mas nunca sem a ajuda dos adultos...

As Coleções

O Hábito de colecionar qualquer coisa é sem dúvida uma das atividades lúdicas, com um dos mais acentuados potenciais cognitivos que existe. O educador que deseja criar em seus alunos o Espírito de Organização e Disciplina deve considerar seriamente o uso das Coleções para ajudar nesse processo.

As qualidades que poderá trabalhar conjuntamente são muitas. Estude cada Tema e descubra através da experiência pessoal do que as crianças gostam e veja os resultados.

Idade: 6 Anos e acima
Série: A partir da Alfabetização

O Que as Crianças Aprendem com as Coleções?

Estudos de comportamento comprovam: crianças que têm ou mantém uma coleção como passatempo, são mais organizadas, disciplinadas, responsáveis, menos estressadas, mais curiosas, dotadas de maior autoestima. Valorizam mais as coisas que possuem, aceitam mais desafios, e são de longe, mais autoconfiantes que as demais que não cultivam esse hábito.

O hábito de colecionar alguma coisa dá a criança a oportunidade única de criar algo totalmente alinhado ao seu perfil e preferências, que ainda poderá ser compartilhado com os outros. Também facilita o convívio social com as outras crianças que tenham as mesmas afinidades. Desperta nelas um grande interesse por aprender sobre os objetos da sua Coleção, abrindo assim sua mente para outras experiências e descobertas.

Dentre os vários tipos de coleções, a Filatelia e os Quadrinhos, merecem um destaque especial, pela sua excelente abordagem cognitiva entre os públicos de todas as faixas etárias.

Os quadrinhos desenvolvem no colecionador um gosto acentuado pela leitura e pesquisa, além de torná-lo mais bem informadas e crítico. Através dos quadrinhos muitas crianças aprendem a ler. Tanto pelo apelo dos personagens, com os quais muitas delas criam uma profunda empatia, como também pelo aspecto gráfico das publicações, sempre com muitas ilustrações, excelência no acabamento e preço popular. Outro ponto positivo é o mundo de fantasia das histórias, no qual elas poderão se imaginar como partes integrantes daquele universo cheio de aventuras, onde as coisas sempre acabam bem, sendo também uma forma de trabalhar o estado de abstração, a imaginação, com potencial para criar um repertório mental considerável para o exercício da criatividade.

Colecionar Selos é um hábito que, de muito tempo já se sabe, possui um grande poder anti-estressante e relaxante sobre quem o pratica, além de enriquecer a erudição do colecionador. Conta-se que o primeiro colecionador, um inglês, ao adotar a prática, ficou curado de um crônico estado de ansiedade mórbida que lhe acompanhava há muitos anos.

Através das coleções de selos, cria-se o senso de organização, aprende-se muita geografia, história, ciências, artes, costumes, e ajuda a conhecer melhor o mundo onde vivemos. A história dos países e dos povos torna-se mais clara. A história do próprio País onde se vive ganha destaque extra, juntamente com as datas importantes, os personagens mais ilustres, etc.

Assim, pouco importa quais serão os objetos que a criança vai colecionar, mas, é importante cultivar esse hábito, até como uma opção para preencher aqueles períodos de ociosidade com alguma coisa capaz de potencializar sua cognição. Nasce assim uma criança que tem objetivos simples, mas bem definidos. Essa prática de definir objetivos, acredite, vai significar muito no seu futuro.

Outra coisa que deve ser mencionada. Como não dá para colecionar nada sozinho, o hábito incentiva o contato e convívio com outras pessoas, e a criança vai fazer amizades, ampliar seu círculo relacionamentos para troca de objetos.

Inicialmente uma Coleção deve começar como um hábito sem fins lucrativos. A ideia é que a criança o desenvolva como disciplina, como um motivo para se tornar mais organizada e responsável, aceitar com mais naturalidade os desafios e criar em si o sentimento de que é a principal responsável pelo traçado dos seus objetivos na vida.

Tipos de Coleções mais Comuns:

Dicas para Atividades com Coleções:

Faixa Etária: Entre 6 a 12 anos e Acima

Descubra qual o assunto que a criança mais gosta e adquira na Seção Filatélica da agência local dos Correios alguns selos sobre esse tema. Mostre as figuras para ela e peça que descreva o que está vendo na ilustração. Peça que escreva isso no caderno. Conte então a ela a história daquela figurinha.

Crie um jogo de memória diferente com os Selos. Escolha alguns, distintos uns dos outros, por exemplo, sobre geografia, e após distribuí-los em cima de uma mesa, peça para que a criança forme pares não iguais com aqueles que possuem motivos semelhantes. Por exemplo, rios, ou montanhas, ou cidades, ou mares. Depois tente formar pares com aqueles cuja ilustração seja o inverso da outra, exemplo: uma cidade e um campo, ou que se complementam, como peixe e rio, e assim por diante.

Motive sua criança a pesquisar a biografia dos autores dos quadrinhos, como os desenhistas, redatores e criadores, e mesmo qual a motivação de cada publicação.

Pesquise e mostre a ela através de pequenas oficinas caseiras como são feitos os quadrinhos, e se possível, agende uma visita a uma Editora de verdade.

Encoraje-a também a conhecer a origem dos seus personagens favoritos, descobrindo suas manias, sua personalidade, onde e como vivem; se estudam ou trabalham; o que gostam de comer; onde gostam de tirar férias, etc. Converse sobre essas coisas com ela, avaliando os motivos e características daqueles comportamentos tão variados.

Regras e Desenvolvimento:

O educador irá escolher um objeto que, através de pistas, os alunos tentarão descobrir. As pistas poderão ser enriquecidas com pequenos contos, onde o objeto em questão seja um protagonista. Pela quantidade de pistas necessárias ao acerto, ou pelo grau de dificuldade do objeto, o educador será capaz de traçar um perfil cognitivo bem preciso de sua turma.

Leia Também...