Folclore Brasileiro

Aspectos por Regiões

Tamanho da Letra:  Tamanho da Letra Tamanho da Letra Tamanho da Letra


Mapa dos Mitos: Estado do Acre
Editoria de Pesquisas do Site de Dicas [1]

Aspectos Gerais dos Mitos

A influência do Peru e da Bolívia se reflete mais nos costumes que nos mitos e superstições.

Daí a penetração, no folclore acreano, de algumas usanças, dalém fronteiras ( a "cueca", a "marinera", a "caisuma", a "chicha", etc.). Como resultado dessas duas forças modeladoras, o folclore acreano distinguiu-se, com nitidez, do "folclore amazônico" em geral (Amazonas e Pará).

As duas entidades mais atuantes no Folclore acreano são: Amazonas e Nordeste do Brasil. A primeira com os mitos primitivos e gerais, e agora quase diluídos, esquecidos. A segunda pela influência da grande população de cearenses, norte-rio-grandenses, paraibanos e pernambucanos que se fixaram, desde os tempos da colonização daquele território.

Os mitos amazônicos, primitivos e divulgados pelos Tupi-guaranis, já foram descaracterizados e já não se fala em Curupiras, nem Anhangás, nem Mboitatá, nem Jurupari.

O Anhangá é apenas um veado que assombra. Curupiras e Caaporas se transformaram no Caipora, ou melhor, na Caipora que os acreanos descrevem, igualmente os sertanejos nordestinos o fazem, caboclinha pequena, escura, robusta, cabeluda, ágil, com os cabelos longos cobrindo até os joelhos, dando caça a quem lhe dá fumo e sendo muito ciumenta. Assim, os mitos mais vivos são aqueles que foram levados pelos retirantes nordestinos.


Desse modo, encontramos o Lobisomem, a Burrinha (Mula), o Batatão, a Caipora. Do ciclo amazônico há a Cobra-Grande, a Boiúna espalhando suas lendas em todos os rios, e, é claramente confundida com o mito europeu das Ondinas (mito de entidades semelhantes a Iara que habitam rios).

No mais, pela influência dos trabalhadores das florestas, há a predominância dos animais fabulosos, como no Amazonas e Pará, onças-bois, gogó-de-sola e insetos fulminantes. Surge também das matas amazônicas, o Mapinguari[2], última encarnação do "Bicho-homem", o homem selvagem, antropófago que de longe olha as luzes das cidades que surgiram na mata. Outras influências, vem do Peru e Bolívia, mas se refletem mais em estórias de caçadas míticas e superstições do que em personagens.

Embora, tendo o Peru uma extensão de fronteiras com o dobro de tamanho à da Bolívia, é esta mais influenciadora que o outro. Nas anedotas, estórias tradicionais de caçadas, valentias, casos pitorescos, certos hábitos e mesmo superstições, estas em menor quantidade, vê-se com clareza a Bolívia. O elemento de ligação ao contrário do que se pensa não foi o boliviano, mas o mestiço brasileiro, um eterno viajante, traficando, cortando seringueiras, tirando caucho, rio acima, rio abaixo, e semeando o que ouvira em seu sertão longínquo.






Notas:

[1] A Editoria de Pesquisas Folclóricas, é composta por dois antropológos, sendo um deles também folclorista, historiador e publicitário. Contando ainda com a colaboração de uma pedagoga especializada em Tradições Populares e Costumes Antigos, e ainda com as várias e valorosas contribuições dos nossos leitores.
Veja aqui nossa Bibliografia consultada.

[2] Um dos mais populares personagens mitológicos, na versão original possui apenas um olho na testa. Trata-se de uma clara alusão aos antropófagos Cíclopes e Ogres da mitologia européia, ou clássica de todos os povos.

Assuntos Relacionados
Fábulas Ilustradas
Com Excelente potencial didático, ajudam na reflexão e modelagem do Caráter e Ética
Contos Reflexivos
Fábulas modernas de grande profundidade. Uma visão inteligente da realidade humana
Podemos Ensinar os Jovens
Histórias reais, exemplos de vivências que poderão servir como referência para todos
Contos Infantis Ilustrados
Maravilhosos Contos Infantis Ilustrados que encantam Jovens e Adultos
Contos da Carochinha
Contos de exemplos dos antigos. São os contos populares contados por nossas Avós

Dicas de Educação Integral