Folclore Brasileiro

Aspectos por Regiões

Tamanho da Letra:  Tamanho da Letra Tamanho da Letra Tamanho da Letra


Mapa dos Mitos: Estado da Paraíba
Editoria de Pesquisas do Site de Dicas [1]

Aspectos Gerais dos Mitos

Palmeira Tropical
Palmeira do Litoral

Povoada no litoral pelos Tupis (Tabajaras e Potiguaras), e no interior pelos Cariris, subdivididos em dezenas de tribos que se tornaram famosas na grande guerra do século XVII. Os portugueses vieram ao longo do litoral e durante muitos anos a conquista se resumiu às regiões próximas do mar.

A conquista do interior foi lenta e as "bandeiras", partindo das praias, ou vindas pelo São Francisco e Piauí, se reuniam para combater os indígenas. E logo, os conquistadores se encarregariam de dizimá-los pela posse da terra. No início do século XVIII praticamente o elemento indígena havia desaparecido.

A princípio, a população do interior, pela falta de estradas, esteve completamente isolada da capital. Muitos cresciam e morriam sem nunca terem visto o mar.

O elemento Negro se fixa mais nas zonas dos engenhos, com a fabricação do açúcar, tendo presença apenas discreta no interior. Enquanto isso, no interior e alto sertão, os colonos portugueses marcam presença mais forte. Isso pode se observar nos traços antropológicos dos habitantes dessas regiões, que apresentavam as características físicas dos seus dominadores, conservando seus arcaísmos, prosódia, timbre, na linguagem, etc.

Era mais comum e natural o filho de branco com índia, o mameluco, que filho de branco com negra, o mulato. O mestiço sertanejo, em sua maioria, vem da primeira miscigenação.


Dessa forma, é fácil concluir que a Paraíba apresenta zonas comuns para o estudo do folclore. No litoral há uma incessante modificação nos costumes e nas superstições mas as figuras míticas permanecem sem alterações na memória coletiva. A zona açucareira guarda vestígios da escravaria negra, com as danças, cantos de trabalho, autos populares, sincretismo religioso, parte da culinária.

Na capital há o negro que pouco, ou muito retardadamente, acaba por se despojar de hábitos ou crenças, preferindo misturá-las com aquelas que vai adquirindo localmente.

Os mitos europeus estão mais ou menos vivos na capital e no alto sertão, mas sempre acompanhados pelos indígenas de origem Tupi. Os Cariris contribuíram com pouco ou quase nada porque constituíam o povo inimigo, que devia ser combatido sem trégua. As vilas surgiam nas ruínas das aldeias cariris, destroçadas pelos Oliveira Ledos[2], pelos fazendeiros baianos, pelos piauienses e pernambucanos, condutores de boiadas e chefes de grupos armados a bacamarte.

Os mitos tupis foram, como em toda parte, os mais conhecidos e rapidamente assimilados pelos habitantes, negros, brancos, índios e mestiços. As mulheres cariris, caçadas a casco de cavalo, capturadas a laço, eram fêmeas submissas e caladas e pouco contribuíram, mesmo em confidências com seus filhos, para que alguma coisa de suas tradições mitológicas, ou religiosas, permanecesse na memória da região.

Na ordem folclórica, o Cariri é paupérrimo, inferior a qualquer outra influência. Embora sem nunca terem penetrado no interior do estado, os Tupis influíram mais com suas tradições e costumes que estes, os verdadeiros nativos da região interiorana.






Notas:

[1] A Editoria de Pesquisas Folclóricas, é composta por dois antropológos, sendo um deles também folclorista, historiador e publicitário. Contando ainda com a colaboração de uma pedagoga especializada em Tradições Populares e Costumes Antigos, e ainda com as várias e valorosas contribuições dos nossos leitores.
Veja aqui nossa Bibliografia consultada.

[2] A família Oliveira Ledo teve grande importância para a penetração de gado no sertão da Paraíba e a habitação em geral do Estado, pois foram os primeiros a adentrarem na Paraíba a uma distância de mais de 77 km de distância (14 léguas) do mar, em direção ao interior. O primeiro lugar onde se fixaram foi em Carnoió, hoje Boqueirão, onde residiam ferozes índios Cariris.

A fazenda dos Oliveira Ledo se tornou centro importante de ocupação do Sertão Paraibano. Um grande número de cidades do sertão foram fundadas tendo origem uma fazenda pertencente a um membro da família dos Oliveira Ledo, como Brejo do Cruz e Catolé do Rocha.

Teodósio de Oliveira Ledo foi Capitão-mor, sucedendo seu irmão, Constantino de Oliveira Ledo, filhos de Custódio de Oliveira Ledo. Em 1664, Teodósio de Oliveira Ledo e sua família saíram da região são-franciscana da Bahia, que hoje faz parte do Estado de Sergipe, para explorar a sesmaria que lhe tinha sido entregue. Essa sesmaria ficava ao longo do Rio Paraíba e media 275 km (50 léguas) de comprimento por 55 km (10 léguas) de largura. Seu tio, Antônio de Oliveira Ledo, foi o primeiro Capitão-mor da Infantaria de Ordenanças a Pé do Sertão da Paraíba.

Assuntos Relacionados
Fábulas Ilustradas
Com Excelente potencial didático, ajudam na reflexão e modelagem do Caráter e Ética
Contos Reflexivos
Fábulas modernas de grande profundidade. Uma visão inteligente da realidade humana
Podemos Ensinar os Jovens
Histórias reais, exemplos de vivências que poderão servir como referência para todos
Contos Infantis Ilustrados
Maravilhosos Contos Infantis Ilustrados que encantam Jovens e Adultos
Contos da Carochinha
Contos de exemplos dos antigos. São os contos populares contados por nossas Avós

Dicas de Educação Integral