Folclore Brasileiro Ilustrado
Folclore Brasileiro Ilustrado
Folclore Brasileiro Ilustrado - O Mito da Cobra Norato, ou Cobra Grande
Autor: Editoria de Pesquisas Site de Dicas[1]
15 de Fevereiro de 2016
Série: Personagens do Folclore Brasileiro
Nos mitos está a essência de grande parte de nossas crenças e superstições...

Os Aspectos Gerais do Mito da Cobra Norato, ou Cobra Grande

O Mito da Cobra Norato, ou Cobra Grande
Mistérios difíceis de explicar acabam por se tornar alegorias mitológicas...
O Mito da Cobra Norato, ou Cobra Grande
Mistérios difíceis de explicar acabam por se tornar alegorias mitológicas...

Cobra Norato, ou Honorato, é uma das mais conhecidas lendas do folclore amazônico. Conta a lenda que em numa tribo indígena da Amazônia, uma índia, grávida da Boiúna (Cobra-grande, Sucuri), deu à luz a duas crianças gêmeas que na verdade eram Cobras. Um menino, que recebeu o nome de Honorato ou Norato, e uma menina, chamada de Maria Caninana.

Depois de nascidos, ao perceber que eram "Cobras", ela resolveu se aconselhar com um Pajé, e perguntou se devia matá-los ou jogá-los no rio. O Pajé, então respondeu que se os matasse ela morreria também. Então ela decidiu soltá-los no leito do rio Tocantins.

Lá no rio eles, como Cobras, se criaram. Honorato era bom e vinha sempre visitar a mãe. Por outro lado, sua irmã, "Maria Caninana", que era a mais pura expressão da maldade, nunca veio. Assim mesmo andavam sempre juntos e percorreram todos os rios da Amazônia.

"Maria", sendo muito má, um verdadeiro demônio, fazia muitas travessuras que desgostavam o irmão. Alagava canoas, mexia com os bichos, assombrava e afogava viajantes e banhistas, fazia naufragar embarcações, cometia, enfim, toda sorte de maldades.

Eram tantas as maldades e atentados praticadas por ela que, um dia, Honorato acabou por matá-la para por fim às suas perversidades. Honorato, em algumas noites de luar, perdia o seu encanto e adquiria a forma humana transformando-se em um belo rapaz, deixando as águas para levar uma vida normal na terra.

Outras versões dizem que, Honorato, como entidade encantada, quando queria, à noite (só à noite) transformava-se em gente, deixando à beira do rio, a monstruosa casca da cobra em que vivia. Gostava muito de dançar. Era um moço alto e bonito.

Muitas vezes ia dormir em casa de sua mãe, e então, pedia encarecidamente a esta que, antes do galo cantar, fosse ela à beira do rio, onde estava sem ação o seu corpo de cobra e que, deitando-lhe um pouco de leite na boca, lhe desse uma cutilada que o fizesse sangrar. Feito isso, ficaria ele desencantado para sempre.

A Mãe de Honorato foi muitas vezes tentar fazer isso, mas era tão grande, feia e monstruosa a cobra, que ela não tinha coragem e voltava sem ser capaz de cumprir o que lhe pedira o filho. Ele, porém, garantia que a cobra, apesar da aparência, nada lhe faria de mal.

O mesmo pedido fez eles a muitas outras pessoas, garantindo a mesma coisa, mas quando iam elas cumprir o pedido e viam tamanho monstro, corriam aterrorizadas para trás, e por isso ele não podia desencantar.

Como na tradição dos seres fabulosos das águas[2], Honorato, adorava a dança. Costumava então aparecer nos bailes ribeirinhos, encantando a todos com a sua elegância. Desaparecia para surgir, cinquenta léguas adiante, noutro baile. Na margem do rio ficava a pele enorme da cobra, esperando a volta do seu infeliz dono.

Ocorre que, estando ele certa feita nas águas do rio Tocantins, chegou a cidade de Cametá[3] (município do Pará). À noite, ali, procurou um soldado, conhecido pela sua bravura, e lhe fez o costumeiro pedido[4].

Dessa vez, aquele destemido soldado, foi à beira do rio, viu o monstro inerte, mas não recuou como todos os outros. Colocou leite na boca da cobra, e em sua cabeça deu uma cutucada com um punhal que a fez sangrar.

Pronto, a partir daquele dia, Honorato finalmente desencantou e se transformou de vez em gente. Deixou de ser cobra Dágua para viver na terra com sua família, como um homem normal.

O imenso corpo da cobra foi então queimado e reduzido à cinzas, que logo se espalharam pelo rio.

Esta é a versão corrente atualmente em todo estado do Pará. Já está integrada ao fabulário popular e perfeitamente assimilada pelos moradores locais.

Informações Complementares sobre a Cobra Norato

Nomes comuns: Cobra Norato, Cobra Honorato, Cobra Grande.

Origem Provável: O mito, da forma como se apresenta, faz parte do folclore europeu. Se ignorarmos os episódios semelhentes em todos os folclores do mundo, é amazônico.

Em Portugal existiam entidades fantásticas com o corpo de cobras. Em certos dias, abandonando a pele, a linda moça canta, suplicando que alguém fira a serpente para livrá-la do encanto. É sem dúvida muito semelhante à lenda da nossa Cobra Honorato.

Os elementos formadores desse mito são muitos e complexos. No Brasil, as serpentes fluviais tiveram seu ciclo com a Mboi-assu, a Boiúna. Na América do Norte com Bachue, e no México com outras tantas.

Os africanos trouxeram muitos mitos onde as serpentes figuravam, representando fenômenos meteorológicos, ou forças subterrâneas, misteriosas, que eles identificavam como sendo o "Espírito da Morte".

Outros Mitos do Folclore Brasileiro
Editoria de Pesquisas Folclóricas so Site de Dicas.
Veja mais detalhes sobre o autor ou autores nas notas abaixo.

Nota de Copyright ©
Proibida a reprodução para fins comerciais sem a autorização expressa do site.

[1] A Editoria de Pesquisas Folclóricas, é composta por dois antropológos, sendo um deles também folclorista, historiador e publicitário. Contamos ainda com a colaboração de uma pedagoga e antropóloga especializada em Tradições Populares e Costumes Antigos, e também com as valorosas contribuições dos nossos leitores.
Veja aqui nossa Bibliografia consultada.

[2] De acordo com a tradição, os seres misteriosos que vivem na água amam a dança como a mais natural das ocupações. A Iara cantava, mas a Ondina não dispensava um baile.

[3] José Carvalho - O Matuto Cearense e o Caboclo do Pará, pp. 19/21. Belém, Pará, 1930.

[4] Para que se quebrasse o encanto de Honorato era preciso que alguém tivesse muita coragem para derramar leite na boca da enorme cobra, e fazer um ferimento na cabeça até sair sangue. Ninguém tinha coragem de enfrentar o enorme monstro, até que apareceu esse soldado da cidade de Cametá.

NEWSLETTER

Cadastre-se para receber por Email as novidades do Site

Delivered by FeedBurner

Outros Mitos Recomendados
Assuntos Relacionados
Personagens do Folclore
Os aspectos gerais da contribuição folclórica de cada estado brasileiro
Contos Reflexivos
Fábulas modernas de grande profundidade. Uma visão inteligente da realidade humana
Fábulas Ilustradas
Com Excelente potencial didático, ajudam na reflexão e modelagem do Caráter e Ética
Contos Infantis Ilustrados
Maravilhosos Contos Infantis Ilustrados que encantam Jovens e Adultos
Contos da Carochinha
Contos de exemplos dos antigos. São os contos populares contados por nossas Avós
Podemos Ensinar os Jovens
Histórias reais, exemplos de vivências que poderão servir como referência para todos
Opinião
A Opinião dos nossos redatores sobre temas polêmicos e atuais
Humor Reflexivo
Um Humor inteligente que retrata as contradições e dramas do Homem
Outras Sugestões de Leitura