Folclore Brasileiro Ilustrado
Folclore Brasileiro Ilustrado
Folclore Brasileiro Ilustrado - O Mito da Iara ou Mãe Dágua
Autor: Editoria de Pesquisas Site de Dicas[1]
15 de Fevereiro de 2016
Série: Personagens do Folclore Brasileiro
Nos mitos está a essência de grande parte de nossas crenças e superstições...

Os Aspectos Gerais do Mito da Iara ou Mãe Dágua

O Mito da Iara ou Mãe Dágua
Mistérios difíceis de explicar acabam por se tornar alegorias mitológicas...
O Mito da Iara ou Mãe Dágua
Mistérios difíceis de explicar acabam por se tornar alegorias mitológicas...

Os cronistas dos séculos XVI e XVII registraram essa história.

No princípio, o personagem era masculino e chamava-se Ipupiara, homem peixe que devorava pescadores e os levava para o fundo do rio. No século XVIII, Ipupiara vira a sedutora sereia Uiara ou Iara. Todo pescador brasileiro, de água doce ou salgada, conta histórias de moços que cederam aos encantos da bela Uiara e terminaram afogados de paixão.

Ela deixa sua casa no fundo das águas no fim da tarde. Surge magnífica à flor das àguas: metade mulher, metade peixe; cabelos longos enfeitados de flores vermelhas. Por vezes, ela assume a forma humana e sai em busca de vítimas.

Quando a Mãe das águas canta, hipnotiza os pescadores. Um deles foi o índio Tapuia. Certa vez, pescando, Ele viu a deusa, linda, surgir das águas. Resistiu. Não saiu da canoa, remou rápido até a margem e foi se esconder na aldeia.

Mas enfeitiçado pelos olhos e ouvidos não conseguia esquecer a voz de Uiara. Numa tarde, morto de saudade, fugiu da aldeia e remou na sua canoa rio abaixo.

Uiara já o esperava cantando a música das núpcias. Tapuia se jogou no rio e sumiu num mergulho, carregado pelas mãos da noiva. Uns dizem que naquela noite houve festa no chão das águas e que foram felizes para sempre. Outros dizem que na semana seguinte a insaciável Uiara voltou para levar outra vítima.

Este é um Mito baseado no modelo das sereias dos contos gregos. A Iara é uma ninfa loura de corpo deslumbrante e de beleza irresistível. Sua voz é melodiosa e seu canto, tal como no original grego, é capaz de enfeitiçar a todos que o ouvem, arrastando-os em sua direção, até o fundo do rio, lagos, igarapés, águas, onde vivem esses seres fabulosos.

Na Amazônia, a Mãe-dágua atrai os moços sob forma de uma moça bonita, e às moças, aparecendo-lhes sob o aspecto de um belo e sedutor moço. As crianças também são vítimas, e após desaparecem misteriosamente, creem os ribeirinhos que essas crianças ficam "encantadas" no reino da "gente do fundo".

Lá o menino é instruído no preparo de todos os tipos de remédios. Passados sete anos, durante os quais foi iniciado nas artes mágicas e na manipulação de plantas e ervas, o jovem pode retornar para junto dos seus, onde, geralmente, se torna um grande curandeiro.

A Iara (ig-água, iara-senhor) é uma roupagem de cultura européia. Não há lenda indígena que tenha registrado a Iara de cabelos longos ou voz maviosa.

As lendas indígenas mais velhas citam sempre o Velho Homem Marinho, o Ipupiara, nunca a Iara. Além do Ipupiara, o índio brasileiro tem outra tradição assombrosa das águas. É a Cobra Grande, a Cobra Negra ou Boiúna[2].

Informações Complementares sobre O Mito da Iara ou Mãe Dágua

Nomes comuns: Ipupiara, Hipupiara(demônio dágua), Uiara, Uauiará, Iara, Eiara, Oiara, Mãe-dágua, Hirã, etc.

Origem Provável: É oriundo da Mitologia Grega. Os portugueses, homens do mar, possuíam a tradição das lendas marítimas, de Tritões, Sereias e animais fabulosos. As Sereias constituíam um patrimônio comum aos povos navegadores. Havia a Sereia dos gregos e dos romanos. Mas esta era um pássaro e não um peixe.

Nenhum autor clássico fala de Sereias em forma de peixe. Na versão oficial eram moças, sentadas na areia da praia, cantando. Na África havia Haraké, que atraia os homens para as águas do Níger.

Da forma como ela atualmente existe, nenhum índio, entre os séculos XVI e XVII a conheceu. A Iara, mulher tentadora, é uma lenda totalmente estranha à mítica indígena. O Ipupiara dos cronistas coloniais não possuía os encantos sedutores da atual Iara. Antes disso, era um Homem-peixe, feroz, bestial, saindo da água para matar, sempre matar. Não há um só aspecto simpático no Ipupiara monstro marinho. É horrendo, esfomeado e apavorante.

De acordo com os cronistas, não aparece no Ipupiara o poder de transformar-se em homem ou mulher. De comum com a Sereia atlântica e mediterrânea só existe o elemento água, onde vive.

A Iara (Ig-água, Iara-Senhor) é uma roupagem de cultura européia. Não há lenda entre os índios que tenha registrado a Iara de cabelos longos e voz encantadora. As lendas indígenas mais antigas citam sempre o Velho Homem Marinho, e não a Iara. A presença da Iara indica claramente a força da presença dos mitos dos brancos ou a influência assimiladora do mestiço, que a tudo absorvia, como se fora uma esponja.

Como existe atualmente não se viu um só índio nos séculos XVI e XVII que a tivesse conhecido. Além do Ipupiara o índio brasileiro tem outra grande tradição assombrosa de monstro aquático. É o ciclo da Cobra Grande, a Cobra Negra, a Boiúna[2], das mil estórias amazônicas.

Há em Portugal um mito semelhante ao da Iara que se chama Hirã[3]. Ela é descrita como uma mulher de cabeça muito volumosa e com um corpo franzino, a qual, em chegando à idade de 12 anos, se transforma em Serpente e vai viver no Mar. A Hirã é a última das sete irmãs que nasceram de forma consecutiva.

Ainda, segundo os pesquisadores, o mito da Cobra Grande foi, evidentemente, fundido com o da Mãe Dágua. Há o depoimento do Padre Figuerôa[4], afirmativo e claro. Mas em nenhum velho documento encontra-se qualquer menção de que a Cobra Grande deixe sua forma original para se transformar em outra coisa, como homem ou mulher. Nenhuma lenda tradicional dos índios brasileiros narra a Cobra grande parecendo com a Mãe-Dágua.

Outros Mitos do Folclore Brasileiro
Editoria de Pesquisas Folclóricas so Site de Dicas.
Veja mais detalhes sobre o autor ou autores nas notas abaixo.

Nota de Copyright ©
Proibida a reprodução para fins comerciais sem a autorização expressa do site.

[1] A Editoria de Pesquisas Folclóricas, é composta por dois antropológos, sendo um deles também folclorista, historiador e publicitário. Contamos ainda com a colaboração de uma pedagoga e antropóloga especializada em Tradições Populares e Costumes Antigos, e também com as valorosas contribuições dos nossos leitores.
Veja aqui nossa Bibliografia consultada.

[2] Este mito tem sua própria biografia. Veja também A Lenda Cobra Grande ou Cobra Norato

[3] J. Leite de Vasconcelos - Tradições Populares de Portugal, p. 287. Porto, 1882.

Outro historiador português, o Teófilo Braga, em O Povo Português nos seus costumes, crenças e tradições, Vol. I, pp. 181-182, Lisboa, 1885, registra igualmente a Hirã. "Na ilha de São Tiago, do arquipélago de Cabo Verde, crê-se na entidade Hirã, que é sempre a última das sete filhas nascidas consecutivamente; tem corpo franzino e cabeça grande e ao fim de doze anos transforma-se em Serpente e vai viver no Mar. As tribos da Guiné adoram a Hirã em um templo que se chama Baloba."

[4] Há documentos que atestam que em 1630 era corrente chamar-se uma cobra de "Mãe Dágua", e no caso dos Mainas do alto Maranhão onde o Padre Figuerôa missionou, seria a esposa do deus Inerre.

NEWSLETTER

Cadastre-se para receber por Email as novidades do Site

Delivered by FeedBurner

Outros Mitos Recomendados
Assuntos Relacionados
Personagens do Folclore
Os aspectos gerais da contribuição folclórica de cada estado brasileiro
Contos Reflexivos
Fábulas modernas de grande profundidade. Uma visão inteligente da realidade humana
Fábulas Ilustradas
Com Excelente potencial didático, ajudam na reflexão e modelagem do Caráter e Ética
Contos Infantis Ilustrados
Maravilhosos Contos Infantis Ilustrados que encantam Jovens e Adultos
Contos da Carochinha
Contos de exemplos dos antigos. São os contos populares contados por nossas Avós
Podemos Ensinar os Jovens
Histórias reais, exemplos de vivências que poderão servir como referência para todos
Opinião
A Opinião dos nossos redatores sobre temas polêmicos e atuais
Humor Reflexivo
Um Humor inteligente que retrata as contradições e dramas do Homem
Outras Sugestões de Leitura